segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Dólar é negociado em baixa, mas ainda próximo da casa de R$ 3,30

O ajuste positivo nas moedas emergentes se estende ao real no início dos negócios. No Brasil, o dólar opera em viés de baixa, ainda próximo de R$ 3,30, após salto de mais 1% na sexta-feira passada. A agenda menos carregada no exterior abre espaço para a correção na disparada da moeda americana, que afetou principalmente os emergentes.

Apesar da correção desta manhã, não se destaca o risco de um nova pressão de alta do dólar. Isso porque os investidores seguem atentos aos sinais de crescimento mais robusto nos Estados Unidos e a possibilidade de um ritmo mais duro de elevação de juros no país.

A indicação de Jerome Powell para a presidência do Federal Reserve (Fed, banco central americano) é lida como continuidade à atual política de gradualismo no banco, mas não evita que os dirigentes sigam com o plano de mais um aperto em 2017 e três altas de juros no ano que vem. 

Às 9h35, o dólar comercial caía 0,31%, cotado a R$ 3,2961. Já o contrato futuro para dezembro cedia 0,63%, a R$ 3,3060.

A queda do dólar e os ajustes no exterior também eram denotados nos juros futuros. As taxas voltam a recuar nesta segunda-feira, principalmente em trechos intermediários e longos. O DI janeiro/2019 era negociado a 7,290% (7,300% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2020 recuava a 8,490% (8,540% no ajuste anterior). Já o DI janeiro/2021 caía a 9,350% (9,410% no ajuste anterior).